Participe do sorteio: Transforme a educação e concorra a prêmios!

Participe do sorteio: Transforme a educação e concorra a prêmios! Quanto mais cursos você concluir, mais chances de ganhar.

Certificado De Autorização Secap/Me Nº 01.013577/2021

Educação antirracista como forma de superar preconceitos, contribuindo para a valorização da cultura e da identidade afro-brasileira.

+
10/09/2021
O Brasil constituiu, ao longo dos anos, uma autoimagem de país tolerante e harmônico, em que a miscigenação e a integração racial teriam se verificado de forma equânime e inequívoca. Segundo essa autoimagem, se algum dia se verificou qualquer traço de desigualdade na sociedade brasileira, essa seria estritamente social e econômica e não estaria relacionada a fatores raciais. Ainda que uma tal constatação de isonomia contasse com dados da realidade, seria necessário indicar a existência e a execução de políticas de justiça social e de reparação histórica.

Infelizmente, até que isso de fato se verifique, resta um longo caminho a ser percorrido a fim de se organizar uma sociedade verdadeiramente multirracial e antirracista. Apesar disso, é preciso destacar que um primeiro passo de conscientização e de mudança de mentalidade está ao alcance da escola, das educadoras, dos educadores e dos educandos na formação “Escola para todos: promovendo uma educação antirracista”, que o Projeto Escolas Conectadas (EC) oferece em seu catálogo de cursos, e, também, no e-book sobre a mesma temática que será lançado este mês. O projeto EC acredita e preconiza que a escola e os profissionais da educação têm papel fundamental na desconstrução de preconceitos e do racismo em nossa sociedade.

Adicionalmente, nesse curso, parte-se do pressuposto metodológico basilar de que o ambiente escolar apresenta-se como uma ambiência racial para a construção de identidades raciais, com base na promoção da diversidade, da representatividade, do pertencimento  e da valorização cultural e estética dos sujeitos na busca pela correção das desigualdades educacionais e sociais no país. A fim de garantir a implementação da Lei 10.639 de 2003, que trata da educação e das relações étnico-raciais e da obrigatoriedade do ensino da História e da Cultura Afro-Brasileira e Africana, o curso pretende aproximar as professoras e os professores de novas abordagens que aproveitem o espaço escolar como um ambiente de representatividade, em que é possível lançar mão de práticas transformadoras e antirracistas que priorizam o respeito às diferenças e o combate à discriminação. Assim, por meio dos conteúdos ministrados no curso e da elaboração de planos de aula, as professoras e os professores da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino Médio são estimulados a elaborar, propor e incorporar aquelas práticas de acordo com suas realidades de ensino e aprendizagem.

Veja um exemplo de excerto de plano de aula, produzido pela profa. Norma Rodrigues, o qual compôs o e-book:

“Com base na realidade local dos alunos e na grande necessidade de discutir as origens da sociedade amapaense, optei por ensinar a história do Amapá e, para esta aula, o tema escolhido foi a Festa de São Tiago, no município de Mazagão, pois a comunidade de Mazagão Velho é negra e conhecer suas origens e tradições é muito importante para a construção de uma educação antirracista na minha escola.”

Norma Alini dos Santos Rodrigues, professora, cursista do “Escola para todos: promovendo uma educação antirracista”, do Projeto Escolas Conectadas. 

Todos esses conteúdos e debates serão abordados no próximo encontro da série Conversas que Aproximam 2021, que ocorrerá no dia 20 de setembro às 18h e contará com a participação da renomada escritora, ficcionista e ensaísta Conceição Evaristo. Também estarão presentes as professoras doutoras Carolina Chagas Schneider e Fernanda Chagas Schneider, autoras do curso “Escola para todos: promovendo uma educação antirracista” e da publicação homônima, que inclui planos de aula comentados. O evento será mediado por Lia Glaz, gerente da área de educação da Fundação Telefônica Vivo.


ESSE CONTEÚDO FOI INSPIRADOR?

Comentários - 13


Joana Zilda de Souza e Antunes
10/09/21 16:47
Gostei muito do conteúdo, acho que todo educador deve está  por dentro do que ocorre em nossa sociedade ,pois as vezes fica camuflado e as pessoas acham que sabe de tudo e de nada sabem a respeito.
Graziela Schausst da Silva
10/09/21 23:30
Esclarecer a origem do Racismo é dar a chance de as crianças compreenderem o significado do que elas falam, e faz parte do processo educativo, pois é a partir do reconhecimento de cada criança sobre o peso que a sua fala e seu comportamento tem, que haverá a reflexão sobre o impacto de suas ações. O professor tem um papel fundamental na formação de cada um dos alunos, pois sua profissão tem caráter social, ele é um referencial para a formação das crianças que precisam aprender através de bons exemplos, da transmissão de informações confiáveis, para que a criança tenha consciência da origem dos problemas sociais, e partir dessa nova consciência, construa seus ideais e os transformem em ação. Ao presenciar um ato de preconceito a criança se lembrará de tudo o que aprendeu com o seu professor, refletirá sobre o que está presenciando, não irá reproduzir o preconceito e pensará que, para ajudar a mudar o mundo, é preciso seguir a sua consciência, que dirá que não deve fazer algo que machuque o outro, que todos possuem o mesmo valor e o direito de reverenciar as suas origens e apreciar as suas diferenças. Como manifestado por Luiz Gama, um dos maiores abolicionistas brasileiros:  “Em nós, até a cor é um defeito. Um imperdoável mal de nascença, o estigma de um crime. Mas nossos críticos se esquecem que essa cor, é a origem da riqueza de milhares de ladrões que nos insultam; que essa cor convencional da escravidão tão semelhante à da terra, abriga sob sua superfície escura, vulcões, onde arde o fogo sagrado da liberdade”.


Maria de Lourdes Silva de Oliveira
20/09/21 11:37
Gostei das informações, pois, até então não tinha visto ou observado sinais de racismo no ambiente em que vivo. Talvez porque somos iguais na cor e nas condições econômicas e por ser uma comunidade baseada em reciprocidade. Depois da leitura vi que realmente existe alguns apelidos, brincadeiras e piadas relacionado. Uma ação banal que nem mesmo os negros verem como racismo. Daí percebemos uma ação racista camuflada. Que precisamos trabalhar em nossa escola. 
José Givaldo Evaristo Ferreira
20/09/21 14:26
MUITO BOM ESSE CONTEUDO EM UM MOMENTO QUE NOTAMOS QUE NO PAIS AINDA É PRECISO OLHAR DE OUTRA FORMA  A QUESTÃO DOS PRECONCEITOS RACIAIS POR TODA PARTE
Márcia de Lima Fonseca
20/09/21 18:34
O tema é muito relevante, pois ainda temos muito que aprender a ter outro olhar sobre a questão isto se chama respeito à todos, respeitando a cor, a religião entre outros.
Gidenalva de Almeida Santos
21/09/21 17:33
Saber lidar e respeitar as diferenças é algo fundamental e necessário para construirmos uma sociedade justa e com igualdade de oportunidades para todos e todas. 
Maria Aparecida Machado Antonelle
21/09/21 18:07
Cada texto exposto, ê uma reflexão para as esferas sociais,pois não não temos dimensão do quanto esse preconceito velado existe em todas as camadas sociais do nosso país. 




Marli Simões de Moraes Amaro da Silva
21/09/21 23:54
   Acredito que temos que rever a história do nosso descobrimento  , para que possamos entender e recontar está história do modo mais verídico possível . Já que não  foi descobrimento e sim uma   invasão  de terras brasileiras seguida de um genocídio dos povos indígenas . 
Luciane Cardoso de Melo Santos
28/09/21 15:06
O texto nos remete a necessidade de resgatar a história de cada povo e assim legitimar a sua cultura, ancestralidade e todo conhecimento territorial que é apagado.  A ideia que o Brasil é um país harmônico em diversidade racial só contribuiu para naturalização das diferenças sociais e raciais.
Valentim Francisco de Freitas Neto
29/09/21 09:31
Gostei muito do curso e o mesmo será de grande valia na aplicabilidade em sala de aula com os educandos. Sempre muito bom adquirir mais conhecimentos e se apropriar com fundamentação sobre os mesmos. Em meio as adversidades do ambiente escolar esse curso muito proporcionará superar os desafios que surgirão no decorrer do cotidiano escolar.
Sebastiana Ines Gonçalves Neves
30/09/21 17:24
Muito necessário este curso o assunto estará sempre em pauta, as pessoas precisam de respeito ao próximo. 
Maria Luisa Felix Capelão Porto
03/10/21 19:58
Curso muito importante para a inclusão social .
O racismo existe e não parte da criança e sim dos pais , adultos responsáveis , que precisam serem mais acolhedores e menos preconceito. A criança quer brincar , ela tem um lindo senso inclusivo e cheio de empatia . A inclusão se faz quando em sala de aula todos os alunos se respeitam e se ajudam. Porque somos todos diferentes e , é a nossa diferença que nos faz único e especial.
Irani Eunice Torquato
05/10/21 08:39
Muito importante essa iniciativa do Projeto Escolas Conectadas. O mito da Democracia Racial persiste na nossa sociedade, mesmo que os dados do IBGE mostrem o contrário. É um mito, pois é uma falácia, algo irreal que preconizar que não existe racismo no Brasil e que há uma suposta igualdade de oportunidades para todos independente da questão racial. É na formação continuada dos professores que, acredito, podemos superar esse mito e nos assumirmos como o país que somos, ou seja, um país racista e, a partir dessa constatação, desconstruir essa realidade.

Conteúdos recentes