Avaliação: para que e como avaliar

Caminhos para a Inovação:   Práticas
Imagem horizontal lateral de aluna do lado direito em primeiro plano sendo observada por professora do lado esquerdo em segundo plano.

Processos avaliativos efetivos supõem conhecer como o estudante pensa para ajudá-lo a aprender mais e melhor. O acompanhamento dessa aprendizagem constitui, é claro, outro importante objetivo educacional. Uma escola que inova deve, portanto, estar atenta a métodos e estratégias que favoreçam o alcance destes importantes propósitos: investigar o pensamento do aluno, apoiá-lo em sua aprendizagem e acompanhar o seu desenvolvimento. E você, professor(a), como pode ajudar a transformar processos e instrumentos avaliativos? Como utilizar, a seu favor e a favor da aprendizagem dos seus alunos, avaliações que oportunizem o diagnóstico de dificuldades, o levantamento de meios para superá-las e a construção de conhecimentos?

Neste curso, você está convidado(a) a discutir para que e como avaliar, a trabalhar com diferentes abordagens avaliativas e a refletir sobre a avaliação não como fim, mas como parte do processo de aprendizagem.

Ative a notificação de inscrições para a próxima edição do curso no botão "Avise-me".
Próximas turmas
24 de maio a 21 de junho


Carga Horária: 20 horas

Áreas do Conhecimento: Linguagens, Transversal/ Projetos interdisciplinares

Modalidade: Mediado


Recomendação Ciclo/Série: Ensino fundamental (anos iniciais e finais) e ensino médio.

Autoria: Profa. Ma. Fernanda Bedin Camargo

Certificação: Universidade Estadual do Rio Grande do Sul



Como esse curso inova
Inova ao trazer conteúdos, referências e inspirações para subsidiar a mudança curricular e metodológica, transformando práticas pedagógicas.

Competências gerais da BNCC mobilizadas nos alunos

Conhecimento
Pensamento científico, crítico e criativo
Comunicação
Argumentação
Autoconhecimento e autocuidado

Veja a opinião de quem realizou o curso

O curso Avaliação: para que e como avaliar tem me oportunizado o despertar de um novo olhar sobre a avaliação do meu componente curricular, Língua Portuguesa, em sala de aula. A proposta apresentada sobre a avaliação que identifica níveis de aprendizagens mudará significativamente a minha prática avaliativa que durante muito tempo centrou-se na dicotomia erro x acerto. É muito satisfatório participar de estudos tão significativos e ver, através dos exemplos expostos, que muito podemos construir em prol do desenvolvimento dos nossos estudantes dentro da sala de aula. Adna Maria Rodrigues, BA
"
"