Mergulhe nas práticas de autocuidado e aprenda mais sobre bem-estar docente

+
27/09/2022

Saiba como a professora Amélia Silva incorporou os conhecimentos adquiridos no curso da plataforma Escolas Conectadas em sua rotina e práticas pedagógicas

 

Abandonar as salas de aula não parece estar nos planos de Amélia Silva. Mesmo após a aposentadoria, a professora de Português e História continua lecionando. Atualmente, ela dá aulas para as turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II, em escolas da rede municipal de ensino de São Paulo (SP).

Amélia conta que conheceu a plataforma Escolas Conectadas por indicação de um amigo. Então, para apoiar as suas práticas pedagógicas, ela escolheu realizar o curso gratuito Bem-estar docente: autocuidado e redes de apoio para quem transforma a educação.

A educadora destaca a importância do curso para o seu trabalho, devido às cobranças e à necessidade de dar conta da lacuna de aprendizagem dos alunos provocada pela pandemia.

“O professor foi muito afetado em sua rotina de trabalho. O estresse foi muito grande diante dos desafios da profissão, além do medo de se contaminar. A cobrança para desenvolver as aulas com o uso das tecnologias, e assim conseguir atingir o aluno do outro lado do computador, foi muito desafiadora. Além de ter sido uma tarefa árdua e com reflexos em sua saúde. Agora, o professor se vê no desafio de recuperar esse aluno e reaprender a conviver com ele no mesmo espaço físico”, detalha.

 

Protagonismo, escuta ativa e saúde mental

De acordo com a professora Amélia, o curso também estimula a união do corpo docente. 

“Sermos protagonistas das nossas narrativas é muito interessante e desafiador. E assim também acontece com o corpo docente. Precisamos ter uma escuta bem ativa com os nossos colegas de profissão”, afirma.

Ela acredita que, atualmente, uma das principais atribuições do educador é se manter em equilíbrio para conseguir mediar conflitos no ambiente escolar.

 

Autoavaliação e métodos dialógicos em sala de aula

Os conhecimentos que a professora adquiriu durante a formação da plataforma Escolas Conectadas já estão sendo colocados em prática nos projetos pedagógicos e aulas elaboradas pela docente.

Amélia conta que mantém um projeto junto aos alunos do Ensino Fundamental II, que tem como objetivo promover a reflexão sobre quem se é.

“Trata-se de uma aula integradora chamada “Saúde e Bem-estar”. Nessas aulas, a minha metodologia é a roda de conversa. Ou seja, uma metodologia dialógica, pois o aluno tem a oportunidade de olhar para si e aprender através da reflexão”, explica.

Além da iniciativa que tem dado certo com os alunos do Fundamental II, a professora tem planos para desenvolver novos projetos, a partir do aprendizado que teve por meio do curso Bem-estar docente.

“A literatura indicada é muito rica e está me auxiliando muito. Pretendo desenvolver, junto com o Grêmio Estudantil, um projeto sobre comunicação não violenta. E esse curso vai me auxiliar muito com suas indicações bibliográficas”, conclui.

 

Sobre o curso Bem-estar docente: autocuidado e redes de apoio para quem transforma a educação

Muito além de transmitir conhecimentos, durante o processo de ensino e aprendizagem o educador cuida também do bem-estar do aluno. Mas quem é que cuida do professor?

Propondo uma imersão em sistemas de apoio, nos métodos dialógicos e no bem-estar docente, a plataforma Escolas Conectadas oferece o curso Bem-estar docente: autocuidado e redes de apoio para quem transforma a educação.

Autoformativo, on-line e com 20 horas de duração, a formação busca fortalecer redes de cuidado mútuo que favoreçam a saúde e segurança emocional dos educadores. Ao final do curso, o professor é certificado pelo Centro Universitário Ítalo Brasileiro.

 

Siga o exemplo da professora Amélia Silva e aprimore as suas aulas e projetos pedagógicos a partir da formação da plataforma Escolas Conectadas.

Clique aqui e inscreva-se!



ESSE CONTEÚDO FOI INSPIRADOR?

Comentários - 5


Diego Darío álvarez
21/10/22 21:12
Como é bom ter contato com éstes seres de luz tão sábios e preparados. Muito obrigado!
Paulo José de Mello Cavalheiro
28/10/22 18:52
O professor deve estar bem preparado no sentido do bem estar emocional, pois, hoje em dia, estamos com uma clientela um tanto desafiadora no que toca ao comportamento social dentro e fora da escola. A camada estudantil, apreende as informações externas da escola e as trazem para dentro da escola e esquecem que este ambiente é um ambiente de troca de informações, de experiências positivas e através dos erros destas na escola é que busca-se uma alternativa para que as mesmas não venham afetar o estado emocional dos professores, que sejam trocas saudáveis e que em alguns casos, alguns estudantes trazem vivências um tanto fora do contexto escolar e com isto, alguns professores ainda não estão preparados para vivenciá-los. Que haja uma transformação positiva para o professor e que ele venha a sentir-se bem durante este processo de troca de informações dentro e fora de sala.
Professor : Paulo José de Mello Cavalheiro.
Ana Paula Rezende Severino
02/11/22 05:46
História maravilhosa.
Marciana Gomes Falcão Alves
03/11/22 09:49
Gostaria de saber se está sendo oferecido cursos em novembro que aborde as habilidades socioemocionais.
Maria Adenilza Sousa da Silva
13/11/22 17:03
Histórias que nos fortalece e nos ajuda na prática pedagógica.

Conteúdos recentes